Páginas

domingo, 26 de agosto de 2012

Verdades sobre a maconha



Um pouco da história da maconha
Originária da região do norte do Afeganistão,a planta Cannabis Sativa, a maconha, é utilizada há aproximadamente 6.000 anos. O primeiro escritor a mencionar o uso do cânhamo em cordas e tecidos é Heródoto, um historiador grego que é considerado o pai da história.
A fibra do cânhamo, presente no caule da maconha, foi muito utilizada nas cordas e velas dos navios gregos e romanos, e era usada também para fabricar tecidos, papel, palitos e óleo.
A maconha também era muito utilizada na medicina: na Grécia era utilizada para tratar de prisões de ventre e dores de ouvido. Na China e na Índia, assim como em povos africanos e indígenas, era utilizada para curar prisão de ventre, malária, reumatismo, dores menstruais e como analgésico.
Na Índia, a maconha era usada na medicina ayurvédica e na religião hindu. Na mitologia, era a comida favorita do deus Shiva e por isso, tomar bhang, uma bebida que contém maconha, aproximaria Shiva. A tradição Mahayana do budismo diz que antes de alcançar a iluminação, Buda passou seis anos comendo uma semente de maconha por dia, nada mais.
Já conhecida nos tempos do Império Árabe, a maconha ganhou popularidade entre os muçulmanos quando foi proibido o consumo de bebidas alcoólicas e o seu uso só diminuiu na Idade Média.
O cultivo da maconha se expandiu da Índia para Mesopotâmia e depois para o Oriente Médio, onde já era conhecida. Daí se espalhou para a Ásia, depois para a Europa e desta para a África, onde passou a fazer parte de rituais de certas tribos.
As plantações da maconha na Europa eram destinadas à fabricação de produtos com a fibra do cânhamo e raramente era consumida como droga alucinógena.
Durante a Renascença, a maconha era um dos principais produtos agrícolas da Europa, tendo grande importância econômica: as fibras do cânhamo eram usadas para fazer tecidos, papel e telas para pinturas. No século XV, os livros impressos depois da revolução de Johannes Gutemberg, o inventor da imprensa, eram feitos de papel de cânhamo, assim como as velas e as cordas das caravelas.
O cristianismo, que só aceita entre as drogas o álcool, começou a desenvolver uma certa antipatia com as plantas alucinógenas durante a Inquisição, uma vez que algumas das bruxas que foram queimadas, eram, na verdade, curandeiras que usavam plantas para curar as pessoas.
Quando invadiu o Egito, Napoleão proibiu o plantio da maconha, pois era de lá que vinha o cânhamo que abastecia a Inglaterra. Porém, suas ordens foram ignoradas: não somente o cultivo da planta, mas também o hábito egípcio de fumar haxixe continuaram. O tal hábito chegou a virar moda entre os intelectuais da Europa.
A maconha foi trazida para a América do Sul pelos colonizadores e as primeiras plantações foram feitas no Chile, pelos espanhóis. No Brasil, chegou no século XVI, trazida pelos escravos africanos que a utilizavam em rituais de Candomblé.
Foi então incorporada a algumas tribos indígenas, em seus rituais. No final do século XIX, a maconha era considerada um medicamento e era utilizada por muitos laboratórios farmacêuticos americanos para produzir analgésicos, evitar convulsões e dilatar os brônquios. Esse interesse na medicina reduziu-se no século seguinte, devido à morfina e barbitúricos, que apresentavam melhores resultados.
No começo do século XX a maconha, ainda que uma droga licita, não era muito aceita pela classe mais alta da população: no Brasil era associada aos negros, na Europa aos árabes e indianos e nos Estados Unidos aos mexicanos, ou seja, era associada às camadas mais baixas e mais rejeitadas da população. Porém, economicamente, a maconha era muito importante: era utilizada na fabricação de remédios, papel, tecidos, cordas, redes de pesca, óleo, combustíveis, entre outros.
Nos Estados Unidos, entre 1920 e 1933, houve a Lei Seca, que proibia as bebidas alcoólicas e que acabou sendo uma ajuda para a popularização do uso da maconha como droga alucinógena, principalmente entre artistas e músicos. Mas, com a crise da Bolsa em 1929, a maconha, que também era muito utilizada pelos mexicanos, começou a ser relacionada com a marginalidade: sexo promíscuo e criminalidade eram apenas algumas das associações preconceituosas que eram feitas.





Proibição da maconha

Tendo em vista as associações que estavam sendo feitas da maconha à criminalidade e à marginalidade, em 1937, foi publicada uma matéria em uma revista americana, escrita por um funcionário público que já havia trabalhado nas leis proibicionistas durante o período da Lei Seca, Harry Aslinger. Em “Marijuana: assassina de jovens”, Aslinger condena o crescente uso da maconha pelos jovens, atribuindo à droga as qualidades de “assassina”, “cascavel” e passível de causar irritabilidade e violência.
Entretanto, a campanha de Aslinger contra a maconha pode ter sido por motivos pessoais e econômicos. Pessoais porque Aslinger tinha certo grau de parentesco com o dono de uma petrolífera, que estava investindo em combustíveis, plásticos e fibras sintéticas obtidas do petróleo. Econômicos porque os produtos da maconha estavam tomando o lugar dos novos produtos desenvolvidos a partir do petróleo.
No mesmo ano da publicação da matéria de Aslinger, 1937, o plantio e o uso da maconha nos Estados Unidos foram proibidos. Seguindo o exemplo americano, a planta foi logo proibida na Europa.
A primeira lei brasileira proibindo a maconha é de 1830 e a pena para os traficantes, que eram em sua grande maioria brancos de classe média, era menor do que para o usuário, que eram os negros escravos: enquanto o primeiro pagava 20.000 réis, o segundo teria três dias de prisão. Mas essa primeira lei não foi levada muito a sério e a proibição definitiva aconteceu somente na década de 1920.
Na década de 1960, com o movimento hippie, a maconha, embora já ilícita, tornou-se mais popular, por ser uma das “drogas-símbolo” do movimento.

Em 1976 a Holanda decidiu legalizar o uso da maconha, devido às diversas pesquisas feitas comprovando que a droga, mesmo que nociva à saúde, não merecia tamanha balbúrdia da parte do governo.
Atualmente, a planta Cannabis Sativa pode ser encontrada no mundo inteiro, devido à sua expansão. Seu uso medicinal é quase nulo, pois seu reconhecimento como medicamento é pequeno: é recomendada para reduzir náuseas e vômitos decorrentes do tratamento de câncer e para abrir o apetite. No Brasil, seu uso, mesmo como medicamento é ilegal. Já seu uso como droga alucinógena, é bem grande: é a terceira droga mais consumida no mundo.
Na Jamaica, a maconha ainda é cultivada e muito utilizada com fins ritualísticos: acredita-se que ela possui poderes místicos e divinos, e por isso afasta maus espíritos. O hábito de fumar maconha é um rito, um conjunto de atitudes, costumes e crenças da sociedade, além de ter participação na religião rasta. Nas classes mais altas da população esse hábito é condenado.
O THC, Tetrahidrocanabinol, a substância ativa da maconha, é uma resina que a própria planta produz para proteger suas folhas e flores do sol forte. Hoje em dia, a concentração de THC na maconha vem aumentando cada vez mais, pois as plantas são cruzadas e tornam-se mais potentes.








quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Confirmação


Apenas nós dois sabemos,
que não devemos nos separar
O mundo terá que aguentar,
nosso sonho de crianças
Há muito chão pela frente,
bem mais do que ficou pra trás
O frio que agora faz,
talvez não faça amanhã
Meu irmão e minha irmã,
que isto sirva pra vocês,
pois é assim toda vez,
o amor sempre está em perigo
O coração é o abrigo
mais seguro que existe
Se a manhã parecer triste,
eis que a tarde já vem

Rachaduras nos perseguem,
onde quer que estejamos
Bobagens nos preocupam,
perdemos a concentração
O caos supera a razão,     
e o erro age em nós
Nessas horas é difícil,
lembrar do que acreditamos,
e o que os dois juntos sonhamos
afunda-se na correnteza

O amor precisa ser confirmado,
a cada hora e minuto passado
Ele resiste à tempestade
É metade mais metade
E sem ele, na verdade,
                            não se chega ao Criador.  




                        Cesar S. Farias   

domingo, 5 de agosto de 2012

Postagem verde

         



           E o nosso código florestal, como vai ficar, afinal? Enquanto aguardamos o resultado definitivo, após todas as correções e emendas governamentais , apresento á seguir uma breve homenagem ao nosso patrimônio verde.

            
                    Cesar S.Farias      

  

            Segundo alguns dados,  as florestas ocupam cerca de 30% da superfície terrestre. Elas são vitais para a vida do ser humano, devido
 a muitos fatores principalmente de ordem climática. As florestas podem ser de formação natural ou artificial.





     
            Uma floresta de formação natural é o habitat de muitas espécies de animais e plantas, e a sua biomassa por unidade de área é muito superior se comparado com outros biomas. Além disso, a floresta é uma fonte de riquezas para o homem: fornece madeira, resina, celulose, cortiça, frutos, bagas, é abrigo de caça, protege o solo da erosão, acumula substâncias orgânicas, favorece a piscicultura, cria postos de trabalho, fornece materiais para exportação, melhora a qualidade de vida.




      As florestas plantadas são aquelas implantadas com objetivos específicos, e tanto podem ser formadas por espécies nativas como exóticas. Este é o tipo de florestas preferido para o uso em processos que se beneficiem da uniformidade da madeira produzida, como a produção de celulose ou chapas de fibra, também chamadas de placas de fibra, por exemplo. Assim como as culturas agrícolas, o cultivo de florestas passa pelo plantio, ou implantação; um período de crescimento onde são necessários tratos culturais (ou silviculturais) e um período de colheita.



          A mais conhecida floresta é a floresta pluvial Amazônica, maior que alguns países. Erroneamente considerada o Pulmão do Mundo, não é, pois foi comprovado científicamente que a floresta Amazônica consome cerca de 65% do oxigênio que produz (com a fotossíntese) com a respiraçao e transpiração das plantas. Atualmente aceita-se o conceito de "ar condicionado" do mundo, devido a intensa evaporação de água da bacia. A corrente de ar e a intensa atividade biológica contribuem para manter a temperatura média do planeta e retardar o efeito estufa.




           Existem também as florestas tropicais SAZONAIS. São aquelas que perdem suas folhas nas estações de Inverno e Outono, adquirindo uma cor amarelada, avermelhada ou alaranjada.