Páginas

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Ano de Ogum



Na mitologia yorubá, orixás  são ancestrais divinizados africanos que correspondem a pontos de força da natureza e os seus arquétipos estão relacionados às manifestações dessas forças. As características de cada orixá aproxima-os dos seres humanos, pois eles manifestam-se através de emoções como nós. Sentem raiva, ciúme, demonstram vaidade, orgulho. Cada orixá tem ainda o seu sistema simbólico particular, composto de cores, comidas, cantigas, rezas, ambientes, espaços físicos e até horários. Como resultado do sincretismo que se deu durante o período da escravatura, cada orixá foi também associado a um santo católico, devido à imposição do catolicismo aos negros. Para manterem os seus orixás vivos, viram-se obrigados a disfarçá-los na roupagem dos santos católicos, aos quais cultuavam apenas aparentemente.

Fonte: Wikipédia

 


O ano de 2015, para os adeptos e simpatizantes das crenças de matriz africana, estará intimamente associado à figura do orixá Ogum (São Jorge conforme o sincretismo), guerreiro de grande força, vontade inabalável e destruidor de inimigos. Segundo as previsões, será um ano para colher resultados de todos os nossos esforços e batalhas em 2014.
Crenças e convicções religiosas à parte, faço dessa última postagem do ano um convite à tolerância, fé e paciência para superarmos os vários obstáculos erguidos pela má vontade humana. Que a justiça, acima de tudo ela, saia vencedora em todas as batalhas.

                                                   Cesar

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Papai Noel, grande impostor




          A teologia cristã sugere que o Anticristo será capaz de operar milagres falsificados, se opõe a Cristo, e substituir-se- á no lugar de Cristo. O Anticristo está aqui, e seu nome é Papai Noel.
         Sim, você leu corretamente. Eu acredito que o Papai Noel é o Anticristo. Papai Noel já tem uma base bem estabelecida, que se opõe e atua como um substituto para o cristianismo. Na verdade,  o "bom velinho" ofusca Jesus em todas as formas possíveis, e no seu aniversário não menos.
       Papai Noel é o centro das atenções da mídia na época do Natal, porque, por comparação, a programação sobre Jesus não é cativante. Sim, a natividade é doce, mas o enredo é bastante rígido e o tema não inspira interesse. Da mesma forma, a natividade é desprovida de oportunidades para jingles cativantes, efeitos especiais e apelo comercial.
        É fácil ver como Papai Noel foi posicionado como o novo Deus. Ele é um homem maior que a vida, alegre, com poderes sobre-humanos que vive em um reino mágico. Com a ajuda de suas renas e  seus amigos elfos, ele faz e distribui brinquedos para todas as crianças bem comportadas do mundo, punindo os mal comportados apenas com um pedaço de carvão.
      Por outro lado, enquanto Jesus é o Filho de Deus e Salvador do homem, a sua imagem pública mais forte é como um homem que está sendo torturado até a morte.
      Papai Noel é o Anticristo perfeito, realmente. É quase universalmente impopular  odiá-lo e ele incentiva as pessoas a esquecerem ou ignorarem os ensinamentos de Jesus.



O Senhor Jesus convida e incentiva as crianças a virem a ele. Os anos mais jovens são, de longe, os mais espiritualmente fecundos no ciclo de vida de um indivíduo.


 "E trouxeram-lhe também as crianças, para que as tocasse; mas os discípulos, vendo isso, os repreendiam.
  Mas Jesus, chamando-as para si, disse: Deixai as crianças virem a mim, e não as impeçais, porque de tais é o reino de Deus.
  Em verdade eu vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele."     
                                                                 Lucas 18: 15-17



         
           Admito, não fui eu quem escrevi o texto acima, no entanto  assino em baixo e dedico a todos os leitores do blog, desejando-lhes bastante paz, saúde e realizações em 2015. 
      Reverências sinceras ao Rei Jesus e a Ele, somente à Ele, sejam dadas as devidas glórias do natal.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Existe um reino

              Existe um reino que aparentemente pode parecer um conto de fadas. Um reino que até parece coisa de outro planeta. Um reino em que somente entramos quando acreditamos. Lá existe a perfeição que vocês sempre buscaram toda vez que o mundo lhes decepcionou. Por mais que de mim zombem ou me repreendam, é nele que eu quero estar.
             Procurem o reino, pois ele não fica longe se o procurarmos com o pensamento. Situa-se a infinitos quilômetros  do caos e da desordem, e a milímetros dos brandos e pacíficos. A música e a poesia são brechas do que virá um dia. Animem-se e não fiquem tão tristes, pois esse Reino de fato existe.
          Não tentem me convencer a aceitar os dias que passam como se fossem a única realidade possível. A paz do céu estará aqui e isso me motiva a lutar em favor do Reino, mesmo com minhas limitações, até que um dia possa entoar com meus irmãos uma canção composta na corte do Reino de Deus. Se ainda me restar alguma lágrima, eu certamente chorarei de alegria, porque, vejam só, as primeiras coisas já terão passado.

                                                           Cesar


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Dez motivos pra lutar


       

 A data: 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. Instituída oficialmente pela lei nº 12.519 de 10 de novembro de 2011, ela faz referência à morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares. Além de homenagear àqueles que lutaram pela igualdade e não deixar que as dificuldades que eles passaram sejam esquecidas, o dia serve também para lembrar de que ainda há um longo caminho a percorrer.
Atualmente, no Brasil, os negros são os que têm menor grau de escolaridade, menos acesso à saúde, menor presença em cargos públicos, média salarial inferior à de brancos ou pardos, expectativa de vida menor e participação no Produto Interno Bruto (PIB) também inferior aos demais integrantes da população. Em compensação, são os que mais são assassinados, os que representam a maior taxa de desemprego e os que mais lotam as prisões. Com esses e outros números, um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) lançado neste ano escancarou aquilo que todo mundo já sabe: o racismo é uma questão estrutural e institucional no País. 
Para reforçar que o preconceito deve, sim, ser discutido e combatido cada vez mais pela sociedade brasileira, o Terra selecionou dez (entre muitos) casos que ganharam destaque no noticiário nacional em 2014. 
Jogadores de futebol
Em fevereiro, o meio-campista Tinga, do Cruzeiro, foi alvo de insultos racistas durante a partida contra o Real Garcilaso, do Peru. Em Huan Cayo, o jogador ouviu das arquibancadas imitações de macacos a cada vez que tocou na bola. “Eu deixaria de ganhar qualquer título para que não houvesse mais desigualdade", disse na ocasião.

Em protesto, a CBF indicou que o Real Garcilaso deveria ser excluído da Libertadores imediatamente. Mas não foi o que aconteceu. A Conmebol só aplicou uma multa de US$ 12 mil (R$ 27,8 mil).
O cruzeirense, no entanto, está longe de ser o único. Durante o ano, Arouca e Aranha, ambos do Santos, Paulão, do Internacional, e Daniel Alves, do Barcelona, foram outras vítimas do racismo em gramados brasileiros e estrangeiros.


Ator global
O ator Vinícius Romão de Souza foi preso no mês de fevereiro acusado de roubo. Ele, que atuou na novela Lado a Lado, da TV Globo, foi confundido com um ladrão que havia roubado a bolsa de uma mulher na zona norte do Rio de Janeiro. Injustamente, permaneceu na cadeia por 16 dias. Amigos do jovem afirmaram, à época, que se tratava de mais um caso de preconceito racial. Ele não formalizou nenhuma denúncia. 
PM no supermercado
Edson Lopes, cabo da Polícia Militar, sofreu preconceito em um supermercado de Vitória. Em fevereiro, ele, que vestia bermuda, camiseta, boné e chinelo, foi obrigado a se despir na saída do local para provar que não havia roubado nada. De acordo com seu depoimento, o segurança o abordou alegando que ele, mesmo exibindo a nota fiscal, não tinha pagado pelos vinhos que acabara de comprar. O estabelecimento negou o ocorrido. 
Cobradora de ônibus
Uma cobradora de Brasília disse que sofreu preconceito racial também em fevereiro, durante um desentendimento com uma passageira. Segundo Claudineia Gomes, tudo começou quando a porta do ônibus travou por causa de uma pane elétrica. Indignada, a mulher passou a pedir o nome do motorista e, como a funcionária se negou a fornecer a informação, a passageira passou a ofendê-la. "Ela veio, me xingou e saiu. Me chamou de ‘negra ordinária’ e disse que eu estava acobertando o motorista", afirmou a cobradora. Antes de sair, a mulher ainda "deu um beijo no ombro” e disse que “a polícia não viria para preto". Apesar das ofensas, a vítima não prestou queixas.
Manicure 
 Em março, a australiana Louise Stephanie Garcia Gaunt foi denunciada pelo Ministério Público por racismo. Em um salão de beleza do Distrito Federal, ela se recusou a ser atendida por uma funcionária negra, alegando que “pessoas daquela cor” a “incomodavam”. Em seguida, ofendeu uma cliente que se rebelou contra os insultos e um policial militar chamado para atender a ocorrência (ambos negros). A agressora foi levada para a delegacia e posteriormente transferida a uma penitenciária feminina.
Árbitro em Bento Gonçalves
Mais um caso no futebol. Em março, o arbitro Márcio Chagas da Silva relatou ter sido alvo de racismo durante partida entre Esportivo e Veranópolis, no Estádio Montanha dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha. O juiz acusou a torcida anfitriã de tê-lo ofendido com termos preconceituosos, entre eles “macaco” e “imundo”, e de ter jogado bananas no seu carro. "Infelizmente, mais um fato lamentável. Eu já passei em anos anteriores por isso", disse.
Como punição, o Esportivo perdeu seis mandos de campo e nove pontos na tabela do Campeonato Gaúcho, sendo rebaixado para a Divisão de Acesso da competição.

Casal do Facebook
“Onde comprou essa escrava?". “Acho que você roubou o branco para tirar foto”. “Me vende ela". Esses são alguns dos comentários publicados em uma foto de Doris (negra) e Leandro (branco), namorados mineiros que compartilharam, em agosto, uma selfie no Facebook. A imagem foi levada para a polícia, que investiga o caso como crime de injúria racial. “Haverá racismo enquanto as pessoas não entenderem que, por dentro, somos todos iguais”, escreveu a jovem antes de apagar sua conta.
publicidade
Professor da UFES
O racismo não está imune nem mesmo a universidades. No início de novembro, durante um debate em sala de aula, o professor Manoel Luiz Malaguti Barcellos Pancinha, da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), teria dito que preferia ser atendido por um médico branco em vez de um negro. Sendo alvo de protesto de alunos e investigações, negou ser preconceituoso e disse apenas que é “bastante realista”.
Ex-secretária do governo
Ex-secretária do governo e candidata derrotada à Câmara Legislativa do Distrito Federal, a advogada Josefina Serra dos Santos afirmou ter sido alvo de racismo por cinco policiais militares em outubro. Eles a teriam revistado sem motivo perto da Esplanada dos Ministérios, atirado seu celular para longe, torcido seu braço e deixado seus seios à mostra. “Neguinhas, quando aprendem algo, se acham”, teria dito a ela um dos PMs. A corregedoria da PM instaurou um inquérito policial para apurar os fatos. 
“Rolezinho” em SP
Em São Paulo, durante um dos “rolezinhos” realizados em frente ao shopping JK Iguatemi, em região nobre da capital, jovens negros da periferia disseram ter sido vítimas de racismo e constrangimento legal ao serem proibidos de entrar no local. Na ocasião, os seguranças bloquearam as entradas do prédio e impediram a aproximação de pedestres para "garantir a segurança de seus clientes, lojistas e colaboradores”.

Fonte: www.noticias.terra.com.br

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Zumbi, eterna inspiração


          Zumbi foi o grande líder do quilombo dos Palmares, respeitado herói da resistência antiescravagista. Pesquisas e estudos indicam que nasceu em 1655, sendo descendente de guerreiros angolanos. Em um dos povoados do quilombo, foi capturado quando garoto por soldados e entregue ao padre Antonio Melo, de Porto Calvo. Criado e educado por este padre, o futuro líder do Quilombo dos Palmares já tinha apreciável noção de Português e Latim aos 12 anos de idade, sendo batizado com o nome de Francisco. Padre Antônio Melo escreveu várias cartas a um amigo, exaltando a inteligência de Zumbi (Francisco). Em 1670, com quinze anos, Zumbi fugiu e voltou para o Quilombo. Tornou-se um dos líderes mais famosos de Palmares. "Zumbi" significa: a força do espírito presente. Baluarte da luta negra contra a escravidão, Zumbi foi o último chefe do Quilombo dos Palmares.


          O nome Palmares foi dado pelos portugueses, em razão do grande número de palmeiras encontradas na região da Serra da Barriga, ao sul da capitania de Pernambuco, hoje, estado de Alagoas. Os que lá viviam chamavam o quilombo de Angola Janga (Angola Pequena). Palmares constituiu-se como abrigo não só de negros, mas também de brancos pobres, índios e mestiços extorquidos pelo colonizador. Os quilombos, que na língua banto significam "povoação", funcionavam como núcleos habitacionais e comerciais, além de local de resistência à escravidão, já que abrigavam escravos fugidos de fazendas. No Brasil, o mais famoso deles foi Palmares.
           O Quilombo dos Palmares existiu por um período de quase cem anos, entre 1600 e 1695. No Quilombo de Palmares (o maior em extensão), viviam cerca de vinte mil habitantes. Nos engenhos e senzalas, Palmares era parecido com a Terra Prometida, e Zumbi, era tido como eterno e imortal, e era reconhecido como um protetor leal e corajoso. Zumbi era um extraordinário e talentoso dirigente militar. Explorava com inteligência as peculiaridades da região. No Quilombo de Palmares plantavam-se frutas, milho, mandioca, feijão, cana, legumes, batatas. Em meados do século XVII, calculavam-se cerca de onze povoados. A capital era Macaco, na Serra da Barriga.

          A Domingos Jorge Velho, um bandeirante paulista, vulto de triste lembrança da história do Brasil, foi atribuído a tarefa de destruir Palmares. Para o domínio colonial, aniquilar Palmares era mais que um imperativo atribuído, era uma questão de honra. Em 1694, com uma legião de 9.000 homens, armados com canhões, Domingos Jorge Velho começou a empreitada que levaria à derrota de Macaco, principal povoado de Palmares. Segundo Paiva de Oliveira, Zumbi foi localizado no dia 20 de novembro de 1695, vítima da traição de Antônio Soares. “O corpo perfurado por balas e punhaladas foi levado a Porto Calvo. A sua cabeça foi decepada e remetida para Recife onde, foi coberta por sal fino e espetada em um poste até ser consumida pelo tempo”.
        O Quilombo dos Palmares foi defendido no século XVII durante anos por Zumbi contra as expedições militares que pretendiam trazer os negros fugidos novamente para a escravidão. O Dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A data foi escolhida por coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695.
          A lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003, incluiu o dia 20 de novembro no calendário escolar, data em que comemoramos o Dia Nacional da Consciência Negra. A mesma lei também tornou obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira. Nas escolas as aulas sobre os temas: História da África e dos africanos, luta dos negros no Brasil, cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, propiciarão o resgate das contribuições dos povos negros nas áreas social, econômica e política ao longo da história do país.




                Amélia Hamze 
                                Professora da FEB/CETEC

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Legalizando




LOS ANGELES, 05 Nov 2014 (AFP) - Washington DC - capital dos Estados Unidos - votou neste último dia 05, terça-feira,  pela legalização da maconha, uma vitória simbólica que reforça a tendência registrada em outros estados americanos.

A legalização da maconha na capital federal obteve 64,26% dos votos, contra 29,45% que rejeitaram o consumo recreativo da erva - limitado a 50 gramas - entre adultos maiores de 21 anos, a entrega (não a venda) de até 25 gramas, e o cultivo de no máximo três plantas em casa.

Em julho, a capital federal já havia descriminado parcialmente a posse da maconha, transformada em delito menor.

Washington DC se une agora aos Estados do Colorado e Washington, situados no noroeste do país, que nas eleições de 2012 aprovaram a comercialização e a posse de pequenas quantidades de maconha para fins recreativos.

Fonte: www.noticias.uol.com


 
Se os Estados Unidos, parâmetro para todas as democracias do mundo, está dando passos largos em direção a liberação da planta, porque demoramos tanto para discutir a questão por aqui?